Ser fotógrafa durante e depois do confinamento do COVID-19

with Nenhum comentário

Por sermos uma agência de marketing focada em serviços digitais para empresas de serviços e para celebrar o sucesso de mulheres empresárias, convidamos quatro fotógrafas para compartilhar como ser fotógrafa durante uma pandemia pode ser desafiador, mas também pode trazer alguns insights e inovações para os negócios.

O confinamento ainda não acabou em muitas partes do mundo e o setor fotográfico teve um grande impacto devido ao COVID-19, pois não é um serviço essencial e é necessário o contato físico ou presencial e por isso muitos fotógrafos tiveram que fechar seus negócios por vários meses.

Bem, isso também é uma realidade para muitas outras áreas, então decidimos compartilhar essas histórias para inspirar fotógrafos e outros empreendedores.

Mas primeiro, deixe-me apresentar nossas quatro convidadas:

  1. Fotografias de casamento e família com Emmylie Cruz
  2. Fotografia de marca e vídeo marketing com Luiza Soares
  3. Recém-nascido e maternidade com Anna Flavia
  4. Boudoir e retrato feminino com Waneka Valois

Boa leitura!

Fotografia de casamento com Emmylie Strokes

Meu nome é Emmylie Cruz e sou natural de Boa Vista em Roraima – Brasil. Eu me formei em direito, mas a fotografia sempre foi uma paixão.
Comecei a aprender fotografia sozinha e comecei a fazer pequenas sessões de fotos com amigos e familiares para praticar.
Mudei-me para a Irlanda para melhorar meu inglês e minhas habilidades fotográficas. Conheci Richard – hoje meu marido – no final do meu primeiro ano em Dublin e decidi ficar um pouco mais. Já se passaram quase 9 anos.

Qual é o seu nicho fotográfico e por quê?

Eu faço casamentos (www.wonderandmagic.ie) & amp; e fotografia de família (www.emmyliecruz.com).
No final do meu curso de fotografia, a minha professora indicou-me a um casal que ia se casar e foi assim que consegui fotografar o meu primeiro casamento.
Sempre adorei casamentos e costumava assistir a muitos programas de TV sobre isso como ‘say yes to the dress, ‘Don’t tell the bride’ … etc.
Os dias de casamento são repletos de emoções e me sinto honrada em registrar um dos dias mais especiais do casal. Eu absolutamente amo o que faço.

Quais são as dificuldade desde o início da pandemia?

Mantenha uma atitude positiva. Com os casamentos ainda adiados, é difícil não se sentir desanimado às vezes.

E como você administrou ou tem administrado esses problemas?

Focando em coisas que posso controlar. Agora que tenho mais tempo, estou vendo isso como uma oportunidade de trabalhar & amp; organizar o que puder sobre o negócio. Quero ter um melhor fluxo de trabalho para poder melhorar a experiência que dou aos meus clientes.

Essa situação trouxe alguma mudança para sua empresa?

Comecei a automatizar algumas coisas no meu processo e agora temos uma loja online vinculada em nosso site para que os clientes possam comprar vouchers e outros produtos com mais facilidade.
É tudo uma questão de tornar minha vida e, mais importante, a vida de meus clientes mais fácil.

Algumas mudanças serão para sempre … o que você acha que mudou em seu negócio devido à pandemia?

Mentalidade. Focar no que posso controlar definitivamente será algo que tentarei manter em mente de agora em diante. Definitivamente, ajuda a controlar nossa ansiedade quando as coisas parecem difíceis.
Devemos concentrar nossa energia em coisas que ajudarão a resolver o problema, em vez de nos preocupar com coisas que não temos controle.

Aqui estão algumas das fotos incríveis da Emmylie, mas você pode ver mais da fotografia de casamento aqui e fotografia de família aqui.

Fotografia de marca e vídeo marketing com Luiza Soares

Me chamo Luiza Soares, tenho 29 anos, e sou fotógrafa e videografa de marcas. Apesar de
ter nascido em Portugal, morei a infância toda em Salvador no Brasil e aos 18 anos fui para
São Paulo estudar comunicação e multimeios na PUC. Na altura era um curso novo que
tratava muito de comunicação digital e interação numa coisa estranha que, por algum
motivo, se popularizou e atualmente chama-se “redes sociais”. Entretanto, desde sempre
inclinei-me para a parte da imagem, e pude aprofundar este conhecimento durante um ano
em que estive a estudar no departamento de cinema da NYU. Depois disso, unir o foco em
comunicação digital com as técnicas de filmagem se deu de forma natural, e com a
fotografia não foi diferente. Atualmente moro em Lisboa há 2 anos, trabalhando de forma
independente, ajudando empreendedores e negócios locais a melhorarem a sua imagem no
digital.

Qual seu nicho e por que decidiu este tipo de fotografia??

Meu nicho de fotografia é conhecido como “branding photography”. Trata-se de um nicho
relativamente novo, que tem como principal objetivo auxiliar pequenos negócios, ou marcas
pessoais, a melhorar seu posicionamento, em termos de comunicação, e vender mais.
Escolhi este nicho por sempre ter trabalhado em empresas que não podiam realizar
efetivamente venda direta, portanto já tinha e gostava da experiência de lidar com a
comunicação de forma mais horizontal. Para além disso, pequenos negócios e
empreendedores solo sempre me encantaram no sentido de que por de trás do projeto há
um sonho, uma história, uma força de vontade maior que vai além do lucro pelo lucro. Eu
queria dar voz a estas pessoas, ajudar seus negócios a crescerem e contar suas histórias.

Quais são as dificuldades de ser fotógrafo e enfrentar uma pandemia como essa?

Aqui preciso ser 100% sincera e dizer que em termos de negócios, e agendamentos, não
tive tantas dificuldades. Na verdade, aconteceu o efeito reverso. Logo que começou o
primeiro lockdown tive muita procura, acredito que pelo fato das pessoas verem-se sem
qualquer opção além do digital. Se antes uma boa imagem era algo “fixe”, agora era
obrigatório para passar profissionalismo e conquistar clientes. A grande dificuldade na
verdade foi lidar com as expectativas dos clientes em termos do resultado que as fotos
trariam na sua venda. Uma vez que o trabalho de imagem anda “de mãos dadas” com o
texto, branding e presença digital, uma boa foto não basta para garantir que vais alcançar
os seus objetivos. Isto é algo que segue difícil de administrar em alguns clientes que
chegam, e estão demasiado “verdes” no universo do empreendedorismo online.
Uma outra dificuldade que posso apontar tem haver com estigma que está associado ao
tipo de foto que faço. Muitas pessoas, principalmente quando se trata de marca pessoal que
é o meu maior público, associam a fotografia de marca como algo que deve ser “frio”,
“duro”, quase corporativo. Querem as fotos de terno, a trabalhar e usar o telemóvel. Nada
de errado com isso, e essas fotos tem o seu papel, mas essas não são as fotos que param
o “efeito scroll” e agarram na memória. No início tive muita dificuldade de fazer o público
perceber que para ter uma imagem única, associada a personalidade da sua marca, é
preciso querer ser única! É preciso sair um pouco da caixa e se deixar ser um pouco criativo
também. Atualmente sinto que isto já é mais aceito, à medida que as pessoas se cansam
de ver sempre as mesmas coisas nas redes.

Como tem conseguido contornar essas dificuldades?

Fazer parcerias com outros profissionais do ramo da comunicação e marketing digital têm
sido uma boa maneira de contornar esta dificuldade. Quando percebo que o cliente
necessita de outros serviços, depois ou até mesmo antes de realizar uma sessão, consigo
encaminhá-lo para um profissional que pode ajudá-lo melhor do que eu. Para além disso,
dedico muito das minhas redes à educação do cliente, dessa forma consigo que o conteúdo
que produzo seja uma mais valia e o ajude a crescer.
Em relação ao estilo de foto mais criativo, apostei em levar mais isso ao público como parte
do meu estilo pessoal de trabalho. No início tive medo da reação, mas acabou por ter um
efeito positivo, quando me procuram o fazem sabendo que proponho coisas diferentes, e é
o querem.

Alguma inovação ou melhoria que essa situação trouxe para o seu negócio?

Não sei se se encaixa propriamente em “inovação”, mas algo que mudou muito foi a forma
de eu me enxergar não como “freelancer” e sim como negócio. Literalmente como
funcionária de mim mesma. Uma vez que sou funcionária, preciso de receber mesmo em
situações extraordinárias onde eu não possa realizar o trabalho. Desta vez houve
distanciamento social, mas uma vez que o meu trabalho depende de eu estar bem
fisicamente para que aconteça, percebi que preciso encontrar alternativas de faturamento
passivo e atualmente é nisso que estou trabalhando.

Aqui estão alguns dos incríveis trabalhos da Luiza e você pode saber mais sobre sua vídeo marketing e fotografia de marca aqui

Recém-nascido e maternidade com Anna Flavia

Meu nome é Anna Flavia. Sou especializado em fotografia de recem nascido. Sou brasileira e moro a 10 anos em Dublin e viajo por toda a Irlanda capturando momentos especiais desde a maternidade até o nascimento e assim por diante, durante a infância. Estou constantemente aprendendo, melhorando e aprimorando minhas habilidades por meio de cursos e workshops com fotógrafos de renome mundial e buscando sempre novas técnicas.

E por que trabalhar com recém-nascidos?

Há 6 anos atrás quando comecei na fotografia explorei diversas áreas. E com toda experiência que vivi a que mais me identifiquei foi com a fotografia de newborn e família. Me traz satisfação registrar de forma unica momentos marcantes e emocionantes das famílias aliando técnica, sensibilidade, olhar apurado, amor e tecnologia.

Como a pandemia afetou seu trabalho?

Após tantos anos trabalhando com o que gosto tive que me afastar por completo, uma vez que é necessário seguir as restrições. Não só pela questão a financeira mas a drástica mudança de rotina e a privação de uma atividade que é muitas vezes de certa forma terapêutica.

E o que tem feito para manter sua mente ocupada?

Buscando novas ideias, criando novos projetos e planejando sessoes. Aprimorando meu estilo e meu lado criativo em busca de novas tecnicas assistindo muitos cursos online me ajudam a me preparar para uma nova fase pós lockdown.

Alguma mudança ocorreu porque você tem mais tempo em casa?

Essa nova realidade me proporcionou tempo para aprimorar os processos internos da empresa. financeiros , estratégicos e etc… também pude focar tempo na criação
de props e cenários utilizados nas sessões.

Alguns as mudanças serão para sempre … o que você acha que mudou em seus negócios devido à pandemia?

Ser um fotógrafo recém-nascido e criar um ambiente seguro para as crianças sempre esteve em minha mente. Temos tudo super limpo e bem cuidado para toda a família, mas agora devido a restrições, os cuidados foram redobrados antes e depois de cada sessão, como o uso de máscara, esterilização de equipamentos e todos os materiais usados durante a sessão, proteção de calçados e assim por diante.

Aqui estão algumas das fotos mais fofas que Anna Flavia compartilhou conosco, mas você pode ver mais fotos de recém-nascidos

Ser um fotógrafo Boudoir e Retrato Feminino com Waneka Valois

Qual é o seu nicho fotográfico e por quê?

Meu nome é Waneska Valois, sou fotógrafa com mais de 11 anos de experiência. Já fiz de tudo um pouco, mas hoje sou especialista e foco na fotografia de boudoir, uma experiência linda e poderosa para as mulheres. Sou brasileira e moro no exterior desde 2008, 12+ anos de novas experiências e contato com novas culturas. eu tenho
Formada em Marketing, mas minha verdadeira paixão é a Fotografia, principalmente a fotografia como ferramenta de empoderamento das mulheres.

Por que fotografia boudoir?

Quando adolescente, sofri de anorexia, então sei em primeira mão como a mente das mulheres pode nos pregar uma peça. Com a Fotografia Boudoir, posso ajudar as mulheres a ver o que elas não conseguem. Eu mostro como eles são lindos. É como dar a eles a oportunidade de dar uma olhada nova e fortalecedora em si mesmos.

Quais são as dificuldades de ser fotógrafo durante uma pandemia?

No meu caso, o serviço que ofereço é presencial e foi totalmente interrompido.
Para salvar o negócio tive que desistir do meu estúdio e tive que repensar toda a minha forma de trabalhar. Eu crio alguns planos, tenho planos A B C dependendo de como tudo se desenvolveu ao longo do ano. Mas acho que minha maior dificuldade foi me manter positiva e nunca desistir. É tudo uma questão de mentalidade.

E como você se desviou desses problemas?

Como todo mundo, tive que trabalhar minha mentalidade para não enlouquecer. Fui forçado a fazer muito autocrescimento que vai me ajudar pelo resto da minha vida, principalmente procurando o melhor em uma situação ruim, eu já fazia isso, mas agora sou um mestre nisso.

Uma coisa que me ajudou muito nos primeiros meses da Pandemia, durante o lockdown mais rígido, foi oferecer uma sessão virtual para mulheres como forma de me manter ocupada e também em contato com minhas clientes. Foi ótimo! Tivemos 1 hora de foco em outra coisa além das más notícias. Foi muito importante para minha saúde mental.

Alguma inovação ou melhoria que essa situação trouxe para o seu negócio?

Esta pandemia mostrou que nenhuma empresa pode confiar em 1 coisa (serviço, produto, item, etc.). A empresa precisa ser capaz de se adaptar e ter mais de um fluxo de receita. Então, com isso em mente, comecei a pensar em novas maneiras de fazer negócios e sair da ‘caixa da fotografia’.
Comecei a buscar outras possibilidades e formas de melhorar minha marca com novas parcerias.

Um exemplo, criei uma Boutique para vender produtos que tenham uma ligação com a minha marca e fotografia. Todos os produtos são adquiridos localmente (feitos na Irlanda) de mulheres líderes de negócios. Esta Boutique me dá outro fluxo de receita e também me dá a oportunidade de ajudar outras mulheres ajudando seus negócios. Também cria uma comunidade
em torno da minha marca, o que aumenta seu valor e visibilidade.

Algumas mudanças podem durar para sempre … o que você acha que mudou devido à pandemia?

Durante esta pandemia, as pessoas perceberam que estamos todos conectados e estar sozinhos ou lutando com seus concorrentes não é uma boa estratégia. Somos todos interdependentes, como ser humano, precisamos de contato (não apenas físico) para sobreviver, então eu realmente acredito que o senso de comunidade e conexão veio para ficar.

Aqui estão alguns dos lindos trabalhos de Waneska e você pode ver mais de suas fotografias de boudoir aqui

Espero que você tenha gostado da leitura Ser um fotógrafo durante e após a pandemia. Sinta-se à vontade para compartilhar seus comentários e histórias sobre como sua empresa está lidando com o impacto da pandemia.

Se você tem um negócio que gostaria de ler: 5 maneiras de promover seu negócio online gratuitamente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *